Jim Meehan

O dividendo da paz descurado em Israel

TELAVIVE – vinte anos após os acordos de Oslo, a esperança de um acordo de paz abrangente entre Israel e a Palestina parece mais distante do que nunca. De facto, cerca de meio milhão de colonos israelitas nos territórios ocupados (incluindo Jerusalém Oriental) torna praticamente impossível a criação de um Estado palestino contíguo. Assim sendo, será demasiado tardia e muito insuficiente a renovada força da administração do presidente dos EUA, Barack Obama, na busca pela paz?

O Primeiro-Ministro Israelita, Binyamin Netanyahu, alega que o seu governo não tem condições prévias para retomar as negociações com os palestinianos. Entretanto, o Ministro da Habitação, Uri Ariel (ele próprio colono e membro do partido anexionista Casa Judaica), está a desencadear uma nova onda de expansão de colonatos, que ameaça ligar a fronteira criada em 1967 com o Vale do Jordão, dividindo assim, em duas partes, o território palestiniano. A própria insistência de Netanyahu em matéria de regras de segurança "rígidas" é um eufemismo para uma presença israelita no Vale do Jordão - e não voltar às fronteiras "Auschwitz" de 1967.

O Presidente palestiniano, Mahmoud Abbas está bastante enfraquecido e demasiado sobrecarregado pela rivalidade com a linha dura do Hamas - que mantém o controlo de Gaza - para permitir-se o luxo político de se afastar das principais exigências do nacionalismo palestiniano. E Netanyahu, um ideólogo, que está visivelmente incomodado com o apoio forçado à ideia de uma solução de dois Estados, também não tem verdadeiramente um governo de coligação para a paz.

To continue reading, please log in or enter your email address.

Registration is quick and easy and requires only your email address. If you already have an account with us, please log in. Or subscribe now for unlimited access.

required

Log in

http://prosyn.org/qsiYMXV/pt;