Big Data para estudantes pobres

WASHINGTON, DC – Os países precisam de pessoas qualificadas e talentosas para gerarem as inovações que sustentam o crescimento económico a longo prazo. Isto tanto é verdade nas economias desenvolvidas como nas economias em desenvolvimento. Mas isso não irá acontecer sem investimento na educação e na formação. Se quisermos acabar com a pobreza, reduzir o desemprego e lutar contra a crescente desigualdade económica, temos de encontrar formas novas, melhores e mais baratas de ensinar - e em grande escala.

Este objectivo pode parecer estar até mesmo além das possibilidades dos países mais ricos; mas a inteligente recolha, análise e uso de dados educacionais podem fazer uma grande diferença. E, felizmente, vivemos numa época na qual a tecnologia da informação dá-nos as ferramentas certas para ampliarmos o acesso à educação acessível e de elevada qualidade. O Big data - conjuntos de dados de elevados volumes e complexos que as empresas usam para analisarem e preverem o comportamento do consumidor - pode fornecer aos professores e às empresas quantidades de informação sem precedentes sobre os padrões de aprendizagem dos estudantes, ajudando as escolas a personalizarem o ensino de formas cada vez mais sofisticadas.

O Grupo do Banco Mundial e a sua secção de empréstimos do sector privado, a Corporação Financeira Internacional (CFI), estão a tentar explorar este potencial para apoiarem os sistemas de educação nacionais. Uma iniciativa recentemente lançada, conhecida como o programa SABER (Systems Approach for Better Education Results), recolhe e partilha dados comparativos sobre as políticas educacionais e instituições de países de todo o mundo.

To continue reading, please log in or enter your email address.

Registration is quick and easy and requires only your email address. If you already have an account with us, please log in. Or subscribe now for unlimited access.

required

Log in

http://prosyn.org/h88cLkT/pt;