A armadilha do subsídio

CAMBRIDGE – Poucas são as políticas que contrapõem a boa economia tão directamente com a boa política como os subsídios destinados à alimentação e à energia. A questão dos subsídios que excedem a capacidade financeira tornou-se actualmente alvo de especial atenção por parte de três dos mais importantes novos líderes a nível mundial: O Presidente egípcio, Abdul Fatah Al-Sisi, o Presidente eleito da Indonésia, Joko "Jokowi" Widodo, e o Primeiro-Ministro indiano, Narendra Modi.

Al-Sisi vê-se confrontado com a necessidade de efectuar melhores cortes aos subsídios do que era esperado. Contrariamente, Modi, está a ter um desempenho pior do que o esperado, chegando mesmo a deitar por terra um acordo com a Organização Mundial do Comércio há muito aguardado. No que diz respeito a Jokowi, ainda é cedo para retirar conclusões.

Em Julho, Al-Sisi realizou o que poucos líderes do Norte de África ou do Médio Oriente conseguiram: efectuou um corte drástico aos subsídios de longa data destinados aos combustíveis tradicionais e permitiu que os preços aumentassem entre 41 e 78%. Surpreendentemente, esta medida não causou um grande número de protestos.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To continue reading, please log in or register now. After entering your email, you'll have access to two free articles every month. For unlimited access to Project Syndicate, subscribe now.

required

By proceeding, you are agreeing to our Terms and Conditions.

Log in

http://prosyn.org/4fuVTM1/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.