Margaret Scott

O Japão e a Política da Culpa

CAMBERR – O Japão está outra vez a perturbar os seus vizinhos e a levar os seus amigos ao desespero quanto à questão da aceitação de responsabilidade pelas agressões e atrocidades em tempo de guerra. Com a eleição do novo governo, as vozes da negação fazem-se ouvir outra vez ao mais alto nível, e encontram ressonância no público, incluindo nos jovens, de um modo que seria impensável, por contraste, na Alemanha de hoje em dia. Tudo isto alimenta o sentimento nacionalista na China e na Coreia do Sul, e torna ainda mais perigosas as já voláteis disputas territoriais no Mar da China Oriental e no Mar do Japão.

Poderá ser, como me dizem alguns colegas Japoneses, que o novo Primeiro-Ministro eleito Shinzo Abe, apesar das suas raízes e instintos profundamente nacionalistas e conservadores, seja em última instância um realista que fará o que for preciso – sem dúvida com a ajuda da pressão dos Estados Unidos – para desarmadilhar estas tensões. Mas há três questões específicas e principais onde ele e os seus colegas tomaram posições preocupantes, aumentando o nervosismo regional.

A primeira é a longa saga sobre uma desculpa apropriada do Japão pelo início e pela conduta de uma guerra agressiva nos anos que antecederam e que compreenderam a Segunda Guerra Mundial. Durante muitos anos, os países afectados esperaram um pedido abrangente e inequívoco de desculpas; como ministro dos negócios estrangeiros da Austrália desde o fim da década de 1980, trabalhei duramente nesse sentido em Tóquio, procurando uma conclusão que fosse moralmente correcta e no interesse do próprio Japão. Posteriormente, no 50º aniversário da derrota Japonesa em 1995, o Primeiro-Ministro Tomiichi Murayama respondeu numa linguagem pessoal de simultâneo “profundo remorso” e “sentidas desculpas”.

To continue reading, please log in or enter your email address.

Registration is quick and easy and requires only your email address. If you already have an account with us, please log in. Or subscribe now for unlimited access.

required

Log in

http://prosyn.org/CZy7dCT/pt;