Pacificação e Solução de Conflitos na Ásia Oriental

WASHINGTON, DC – Em resultado da persistência dos atritos territoriais que envolvem a China e muitos dos seus vizinhos nos mares da China Oriental e do Sul, os Estados Unidos necessitam adoptar uma estratégia regional mais clara. Devem manter simultaneamente os seus interesses e os compromissos assumidos no quadro de alianças e evitar um confronto contraproducente, ou mesmo um conflito.

Tal não será fácil, especialmente porque não se pode deduzir claramente a quem deverá ser reconhecida a revindicação das ilhas e afloramentos daquela região e os EUA não têm intenção de tentar impor uma solução. Ao mesmo tempo, os EUA precisam modernizar as suas forças armadas para dar resposta a novos desafios, nomeadamente a ascensão da China. À medida que a China desenvolve armamento de precisão avançada para criar a chamada capacidade anti‑acesso/recusa de área, os Estados Unidos devem analisar de que forma irão dar resposta à crescente vulnerabilidade das suas bases e forças navais na região.

Não existe uma resposta fácil para estes desafios. É necessária uma abordagem flexível como a que desenvolvemos no nosso novo livro Strategic Reassurance and Resolve (Pacificação e Resolução Estratégicas, NdT.).

To continue reading, please log in or enter your email address.

To read this article from our archive, please log in or register now. After entering your email, you'll have access to two free articles from our archive every month. For unlimited access to Project Syndicate, subscribe now.

required

By proceeding, you agree to our Terms of Service and Privacy Policy, which describes the personal data we collect and how we use it.

Log in

http://prosyn.org/rSS1mdi/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.