O curto prazo de longa duração

BERKELEY – Antes de 2008, ensinava aos meus alunos que a economia dos Estados Unidos era flexível. Havia empregadores dispostos a arriscar a contratação de trabalhadores desempregados que, a seu ver, se tornariam produtivos; e havia trabalhadores dispostos a aproveitar oportunidades, ou a experimentar algo novo de modo a conseguir emprego. Enquanto as entidades empregadoras e os trabalhadores empreendedores aproveitavam essas oportunidades, a oferta criava a sua própria procura.

Sim, costumava afirmar, os impactos com efeitos adversos na despesa podiam, de facto, originar desemprego em massa e capacidade não utilizada, mas estes efeitos limitar-se-iam a um período de um, dois, ou, no máximo, três anos. Então, após o abrandamento inicial, a economia norte-americana recuperaria, todos os anos, cerca de 40% do intervalo entre a situação actual e o seu potencial de pleno emprego.

Eu afirmava que o domínio do curto prazo keynesiano (e monetarista) correspondia a período de 0 a 2 anos. Analisando os acontecimentos num horizonte de 3 a 7 anos podia-se assumir, com segurança, um modelo “clássico”: a economia voltaria ao pleno emprego e as mudanças na política e no ambiente económico alterariam a distribuição, mas não o nível da despesa, produção e emprego. O domínio do crescimento económico e das instituições económicas encontrava-se além dos 7 anos.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To read this article from our archive, please log in or register now. After entering your email, you'll have access to two free articles from our archive every month. For unlimited access to Project Syndicate, subscribe now.

required

By proceeding, you agree to our Terms of Service and Privacy Policy, which describes the personal data we collect and how we use it.

Log in

http://prosyn.org/77pirIs/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.