Estarão os EUA a tornar-se japoneses?

BERKELEY – No final da década de1980, o Japão era aparentemente incapaz de cometer qualquer erro aos olhos dos economistas. Estes consideravam que o Japão tinha uma clara vantagem competitiva sobre a região do Atlântico Norte relativamente a um vasto leque de indústrias de alta tecnologia de precisão e de produção em massa que produziam bens transaccionáveis. Viam também uma economia que, desde o início da reconstrução após a Segunda Guerra Mundial, havia superado significativamente os níveis de crescimento esperado para as economias europeias. E viam uma economia que crescia a um ritmo substancialmente mais rápido do que o verificado nas economias do Atlântico Norte quando estas registavam os mesmos níveis de produtividade absolutos e relativos à escala de toda a economia.

A aposta segura no final da década de 1980 parecia ser a de que a mecanização, a informatização e a automatização teriam continuidade. As pressões políticas e económicas levariam um maior número de sectores japoneses a proceder a uma mudança para formas de funcionamento mecanizadas intensivas e de alta produtividade. Uma mudança que já fora efectuada pelo sector industrial orientado à exportação (e que sectores como a agricultura e a distribuição já tinham efectuado ou estavam em vias de efectuar na região do Atlântico Norte).

A ética de trabalho japonesa manter-se-ia, pensava-se, e a elevada taxas de poupança do Japão, bem como o fraco crescimento demográfico verificado no país assegurar-lhe-iam uma vantagem substancial em termos de intensidade de capital - e, por conseguinte, de produtividade laboral - que se sobrepunha a qualquer vantagem à escala de toda a economia que pudesse vir a desenvolver a nível de produtividade total dos factores. Além disso, a proximidade a uma fonte imensa de mão-de-obra barata permitiria ao Japão construir uma divisão regional de trabalho que aproveitaria a sua mão-de-obra bem qualificada e bem remunerada e que contrataria externamente, na Ásia continental, a mão-de-obra não qualificada a baixos níveis salariais e, consequentemente, empregos de baixa produtividade.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To access our archive, please log in or register now and read two articles from our archive every month for free. For unlimited access to our archive, as well as to the unrivaled analysis of PS On Point, subscribe now.

required

By proceeding, you agree to our Terms of Service and Privacy Policy, which describes the personal data we collect and how we use it.

Log in

http://prosyn.org/cQRmils/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.