O estranho caso da desigualdade norte-americana

BERKELEY – A menos que surja algum problema inesperado em 2014, o nível de PIB real per capita nos Estados Unidos irá igualar e superar o nível registado em 2007. Isto não são boas notícias.

Para percebermos porquê, consideremos que durante os dois ciclos económicos que precederam a crise de 2007, o PIB real per capita da economia norte-americana cresceu a um ritmo médio anual de 2%; na verdade, durante um século ou mais, o PIB real per capita da economia norte-americana cresceu a esse ritmo. Assim, a produção dos EUA encontra-se actualmente sete anos - 14% - abaixo do nível razoavelmente previsto em 2007. E não há qualquer esperança de que a economia norte-americana recupere ou se aproxime do ritmo de crescimento que tinha antes da crise financeira de 2008. O único consolo - que é, na verdade, um consolo desolador - é que a Europa e o Japão apresentam um resultado consideravelmente pior em relação ao parâmetro de referência de 2007.

O desempenho insuficiente da economia per capita anual dos EUA em 2014 ascenderá, assim, a 9.000 dólares. Isto significa 9.000 dólares por pessoa, por ano, em bens de consumo duráveis não adquiridos, férias não gozadas, investimentos não efectuados, e assim por diante. Até ao final de 2014, as perdas cumulativas per capita resultantes da crise e das suas consequências totalizarão cerca de 60.000 dólares.

To continue reading, please log in or enter your email address.

Registration is quick and easy and requires only your email address. If you already have an account with us, please log in. Or subscribe now for unlimited access.

required

Log in

http://prosyn.org/ww3ORjg/pt;