O Estado observador da Palestina

NOVA IORQUE – A Palestina já não é mais uma “entidade”, mas sim um Estado - ou, para ser mais preciso, um Estado observador não-membro das Nações Unidas, tal como a Santa Sé. A oferta palestina recebeu o apoio de 138 países-membros (a Alemanha, a Grã-Bretanha e outros 39 países abstiveram-se), enquanto apenas sete, incluindo as Ilhas Marshall, Palau e Panamá, juntaram-se aos EUA e a Israel na oposição, deixando ambos mais isolados do que nunca.

O primeiro-ministro Benjamin Netanyahu estava furioso; chamou mentiroso ao presidente da Autoridade Palestina (AP), Mahmoud Abbas, e deu permissão para que três mil novas casas de judeus fossem construídas em território palestino ocupado. O ministro dos Negócios Estrangeiros israelita, Avigdor Lieberman, já ameaçou esmagar o governo da AP na Cisjordânia se a votação das Nações Unidas for levada adiante.

Mas Israel só pode culpar-se a si pelo que aconteceu. Abbas e o seu primeiro-ministro, Salam Fayyad, têm sido mais moderados e mais abertos a negociações sérias com Israel, do que qualquer outro líder palestino anterior. Os policiais palestinos têm cooperado com os israelitas para conterem a violência na Cisjordânia. Melhorar a economia, em vez da confrontação violenta, foi a principal preocupação da AP.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To read this article from our archive, please log in or register now. After entering your email, you'll have access to two free articles every month. For unlimited access to Project Syndicate, subscribe now.

required

By proceeding, you agree to our Terms of Service and Privacy Policy, which describes the personal data we collect and how we use it.

Log in

http://prosyn.org/Dio57ro/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.