As eleições de Israel numa bolha

TELAVIVE – Quarenta e cinco anos de ocupação israelita nos territórios palestinos e quatro anos depois de o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu, se ter tornado no empreendedor da solução dos dois Estados, a campanha eleitoral organizada em negação completa do enigma palestino de Israel acaba de terminar com outro governo de Netanyahu no poder. Sim, Netanyahu foi humilhado pelo eleitorado, mas a perda de apoio que teve não foi uma vitória para o campo da paz. Os vencedores foram: um centro político amorfo, focado nas questões internas, e o direito religioso anexionista.

Um país cuja economia moderna está totalmente integrada no sistema mundial e cujo conflito com os palestinos tem, durante décadas, chamado a atenção da comunicação social de todo o mundo e das grandes potências mundiais, foi às urnas como se fosse um planeta separado e isolado. Os partidos centristas fizeram campanha a favor da “justiça social”, da “partilha do fardo” do serviço militar pelos estudantes ultra-religiosos (do qual foram dispensados desde a fundação de Israel) e em defesa da classe média lutadora do país.

Com as sondagens a indicar que apenas 18% do eleitorado estavam preocupados com o problema palestino, o Partido Trabalhista, de Yitzhak Rabin, e os Acordos de Oslo, abstiveram-se de mencionar o processo de paz, para evitarem afastar potenciais eleitores. A líder actual do Partido Trabalhista, Shelly Yachimovich, substituiu o fatalismo do seu antecessor, Ehud Barak, que afirmou que o conflito palestino não tem solução, com a política de negação, ela inclusive recusou reconhecer que existe um problema.

To continue reading, please log in or enter your email address.

Registration is quick and easy and requires only your email address. If you already have an account with us, please log in. Or subscribe now for unlimited access.

required

Log in

http://prosyn.org/oZNDrtS/pt;