A Europa e o Alerta do Nobel

MADRID – Numa decisão tão criticada como elogiada, o Comité Norueguês do Nobel galardoou o Prémio da Paz deste ano à União Europeia como reconhecimento das suas contribuições “para o avanço da paz e da reconciliação, da democracia e dos direitos humanos na Europa” nas últimas seis décadas. Mas até que ponto é que a Europa está preocupada com a “paz perpétua” e não com os seus males actuais e muito diferentes? Será este prémio um canto do cisne que confirma o estado moribundo do projecto Europeu, tal como o Prémio Nobel de 2001 o foi para as Nações Unidas?

Ao anunciar o prémio, o comité explicou como “o trabalho da UE representa a fraternidade entre as nações.” Ao mesmo tempo que reconheceu que “a UE está actualmente a sofrer graves dificuldades económicas e perturbações sociais consideráveis,” sublinhou o papel da UE como um farol de esperança – uma âncora democrática, particularmente significativa para povos que viveram os horrores das ditaduras.

Mas foi precisamente o desencontro entre as conquistas passadas da UE e as suas preocupações actuais que provocou a ira e levou à sua rejeição por muitos Europeus. É por isso que o prémio suscitou comparações com um Óscar de consagração da carreira, normalmente atribuído quando o galardoado está próximo da morte.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To access our archive, please log in or register now and read two articles from our archive every month for free. For unlimited access to our archive, as well as to the unrivaled analysis of PS On Point, subscribe now.

required

By proceeding, you agree to our Terms of Service and Privacy Policy, which describes the personal data we collect and how we use it.

Log in

http://prosyn.org/VpIzPXp/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.