Tim Graham/Getty Images

Apple, Bruxelas e a soberania ferida da Irlanda

ATENAS – Apesar do seu europeísmo inequívoco, os irlandeses foram seriamente maltratados pela União Europeia.

Quando os eleitores irlandeses rejeitaram o Tratado de Lisboa, em 2008, a UE obrigou-os a votarem novamente até terem o resultado “correto”. Um ano mais tarde, quando os bancos privados irlandeses desmoronaram, ameaçando os seus credores privados alemães (principalmente) com perdas graves, Jean-Claude Trichet, na altura presidente do Banco Central Europeu, “informou” imediatamente o governo irlandês de que o BCE fecharia caixas multibanco na Ilha Esmeralda a menos que os contribuintes inocentes da Irlanda assumissem o lugar dos bancos alemães.

A Irlanda concordou, a sua dívida pública cresceu, a emigração voltou e o país continua ferido e desanimado. Com a União Europeia ainda a recusar a redução significativa de um fardo de dívida injustamente suportado pela geração mais jovem, os irlandeses permanecem convencidos, e estão certos, de que a UE violou a sua soberania em nome dos banqueiros estrangeiros.

We hope you're enjoying Project Syndicate.

To continue reading, subscribe now.

Subscribe

Get unlimited access to PS premium content, including in-depth commentaries, book reviews, exclusive interviews, On Point, the Big Picture, the PS Archive, and our annual year-ahead magazine.

http://prosyn.org/eOV3cHf/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.