Tim Graham/Getty Images

Apple, Bruxelas e a soberania ferida da Irlanda

ATENAS – Apesar do seu europeísmo inequívoco, os irlandeses foram seriamente maltratados pela União Europeia.

Quando os eleitores irlandeses rejeitaram o Tratado de Lisboa, em 2008, a UE obrigou-os a votarem novamente até terem o resultado “correto”. Um ano mais tarde, quando os bancos privados irlandeses desmoronaram, ameaçando os seus credores privados alemães (principalmente) com perdas graves, Jean-Claude Trichet, na altura presidente do Banco Central Europeu, “informou” imediatamente o governo irlandês de que o BCE fecharia caixas multibanco na Ilha Esmeralda a menos que os contribuintes inocentes da Irlanda assumissem o lugar dos bancos alemães.

A Irlanda concordou, a sua dívida pública cresceu, a emigração voltou e o país continua ferido e desanimado. Com a União Europeia ainda a recusar a redução significativa de um fardo de dívida injustamente suportado pela geração mais jovem, os irlandeses permanecem convencidos, e estão certos, de que a UE violou a sua soberania em nome dos banqueiros estrangeiros.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To read this article from our archive, please log in or register now. After entering your email, you'll have access to two free articles every month. For unlimited access to Project Syndicate, subscribe now.

required

By proceeding, you are agreeing to our Terms and Conditions.

Log in

http://prosyn.org/eOV3cHf/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.