6

O Irão, a Turquia e a rua não árabe

PRINCETON – Aos olhos do Ocidente, a política do Médio Oriente está novamente “de pernas para o ar”. Os mullahs teocráticos do Irão permitiram a eleição de Hassan Rowhani, um homem que anunciou no seu primeiro discurso como Presidente eleito, que a sua vitória é “a vitória da sabedoria, da moderação e da consciência sobre o fanatismo e o mau comportamento”.

Os iranianos, aparentemente surpresos com o facto de o candidato que a maioria deles tinha apoiado (entre seis candidatos agressivos) ter ganhado, saíram às ruas e aclamaram uma vitória “para o povo”. Foi, de facto, uma eleição cuidadosamente controlada: todos os candidatos que possam realmente ter desafiado a autoridade do líder supremo ayatollah Ali Khamenei foram desclassificados antecipadamente. Mas, dentro desses limites, o governo permitiu que os votos do povo fossem contados.

Na porta ao lado, na Turquia, o democrata islâmico favorito do Ocidente, primeiro-ministro Recep Tayyip Erdogan, estava a utilizar buldózeres, gás lacrimogéneo, canhões de água e balas de borracha para limpar a Praça Taksim e o Parque Gezi, em Istambul, dos manifestantes pacíficos que não se iriam curvar perante ele. A teoria de governo de Erdogan parece ser essa, uma vez que foi eleito por uma maioria de turcos que ainda o apoia; qualquer pessoa que se oponha a ele é um terrorista ou um peão ao serviço de forças estrangeiras sinistras. Parece que ele não dá lugar à existência de uma oposição legítima, com a ideia de que a maioria de hoje pode ser a minoria de amanhã e de que as regras do jogo devem permitir a ambas serem ouvidas.

Há quatro anos, quando centenas de milhares de jovens iranianos inundaram as ruas de Teerão para protestarem contra a reeleição do actual Presidente Mahmoud Ahmadinejad, o governo iraniano disparou balas verdadeiras contra eles. Os protestos foram brutalmente reprimidos, com os participantes cercados, presos e supostamente violados e torturados, prejudicando a posição do regime não só entre os iranianos, mas também entre os milhões de jovens árabes em todo o Médio Oriente e Norte de África, que erguer-se-iam brevemente para exigirem os seus direitos sociais e políticos.