O Irão, a Turquia e a rua não árabe

PRINCETON – Aos olhos do Ocidente, a política do Médio Oriente está novamente “de pernas para o ar”. Os mullahs teocráticos do Irão permitiram a eleição de Hassan Rowhani, um homem que anunciou no seu primeiro discurso como Presidente eleito, que a sua vitória é “a vitória da sabedoria, da moderação e da consciência sobre o fanatismo e o mau comportamento”.

Os iranianos, aparentemente surpresos com o facto de o candidato que a maioria deles tinha apoiado (entre seis candidatos agressivos) ter ganhado, saíram às ruas e aclamaram uma vitória “para o povo”. Foi, de facto, uma eleição cuidadosamente controlada: todos os candidatos que possam realmente ter desafiado a autoridade do líder supremo ayatollah Ali Khamenei foram desclassificados antecipadamente. Mas, dentro desses limites, o governo permitiu que os votos do povo fossem contados.

Na porta ao lado, na Turquia, o democrata islâmico favorito do Ocidente, primeiro-ministro Recep Tayyip Erdogan, estava a utilizar buldózeres, gás lacrimogéneo, canhões de água e balas de borracha para limpar a Praça Taksim e o Parque Gezi, em Istambul, dos manifestantes pacíficos que não se iriam curvar perante ele. A teoria de governo de Erdogan parece ser essa, uma vez que foi eleito por uma maioria de turcos que ainda o apoia; qualquer pessoa que se oponha a ele é um terrorista ou um peão ao serviço de forças estrangeiras sinistras. Parece que ele não dá lugar à existência de uma oposição legítima, com a ideia de que a maioria de hoje pode ser a minoria de amanhã e de que as regras do jogo devem permitir a ambas serem ouvidas.

To continue reading, please log in or enter your email address.

Registration is quick and easy and requires only your email address. If you already have an account with us, please log in. Or subscribe now for unlimited access.

required

Log in

http://prosyn.org/83LuZ7U/pt;