malta journalist murder memorial TOLGA AKMEN/AFP/Getty Images

Como a globalização matou a nossa mãe

LONDON – Arede mundial que viabiliza o crime organizado e a corrupção transnacionais é, tragicamente, uma das mais duradouras histórias de sucesso da globalização. Por conseguinte, é também um dos seus defeitos mais mortíferos. Enquanto os frutos e oslucros do crime circulam sem problemas através das fronteiras, a aplicação da justiça e da lei permanece encurralada pelas fronteiras nacionais, e é constantemente enfraquecida econtrariada. Entretanto, os jornalistas que tentam documentar esta situação são intimidados, encarcerados eassassinados.

Enquanto as forças do crime e da corrupção globais continuam a delapidar a nossa liberdade e a nossa segurança, os jornalistas assassinados pelo seu rasto ensinaram-nos lições poderosas sobre como devemos responder. Estas lições dizem respeito não só ao jornalismo, mas também à aplicação da lei e ao tipo de sociedade onde queremos viver.

Uma destas jornalistas foi a nossa mãe,Daphne Caruana Galizia. Foi assassinada em Malta, a 16 de Outubro de 2017, pela explosão de uma bomba colocada sob o banco do condutor do seu carro quando se dirigia ao banco para desbloquear a sua conta, que fora congelada pelo ministro da economia do país. Este foi o último de uma série de ataques que ela suportou devido aos seus relatos, mas não foi a última violação que Malta sofreria relacionada com as suas revelações.

We hope you're enjoying Project Syndicate.

To continue reading, subscribe now.

Subscribe

or

Register for FREE to access two premium articles per month.

Register

https://prosyn.org/VoFX8bopt