mohieldin27_HoracioVillalobosCorbisviaGettyImages_homelessmanpplwalkingby Horacio Villalobos/Corbis via Getty Images

O combate à desigualdade é uma escolha política

NOVA IORQUE – O mundo deu passos impressionantes no sentido da redução da pobreza extrema, mas essa evolução abrandou consideravelmente nos últimos anos. O problema é evidente: a eliminação da pobreza extrema obriga a combater a desigualdade.

A boa notícia é que a desigualdade entre todas as pessoas do mundo diminuiu desde 1990, reflectindo a redução da pobreza. A má notícia é que a desigualdade dentro de cada país aumentou. Comparando com o que acontecia há 25 anos, o cidadão médio de hoje tem maior probabilidade de viver numa economia com maior desigualdade. E, para além do rendimento e da riqueza, continuam a existir grandes disparidades – entre países e dentro dos países – no que diz respeito à alimentação e à nutrição, à saúde, à educação, à terra e à água potável, e a outros factores essenciais a uma vida plena e digna.

Longe de ser inevitável, a desigualdade é uma escolha política. Os governos que pretendem reduzir as diferenças entre rendimentos e riqueza e melhorar as vidas e as oportunidades disponíveis para os seus cidadãos mais desfavorecidos têm demonstrado simultaneamente esforços e alguma evolução. Desde 2015, os Objectivos de Desenvolvimento Sustentável das Nações Unidas – e em especial o Objectivo 10 – promoveram uma atenção inédita sobre esta questão.

We hope you're enjoying Project Syndicate.

To continue reading, subscribe now.

Subscribe

or

Register for FREE to access two premium articles per month.

Register

https://prosyn.org/Mu2JoQ5pt