O Segundo Fôlego de Manmohan Singh

NOVA DELI – Em Setembro, Manmohan Singh, o primeiro-ministro Indiano de modos brandos, cumpriu 80 anos. Também virou uma página: Depois de meses a ser acusado de indecisão e fraqueza por todos os políticos de café (pundit with a soapbox, no original - NdT), e de presidir à “paralisia política” enquanto colegas corruptos lucravam alegadamente com a prata do país, Singh tomou a iniciativa de um modo arrojado. Uma série de anúncios de reformas, e uma conversa franca com o público, sublinharam a sua nova mensagem: “Quem manda sou eu.”

Os passos iniciais que anunciou são impressionantes. Várias disposições controversas incluídas no último orçamento do governo estão a ser revistas. Será permitida a entrada do investimento directo estrangeiro no sector do retalho e na aviação civil – decisões ousadas que custam ao governo o apoio de um recalcitrante aliado de coligação.

Do mesmo modo, o governo reduziu subsídios para o gasóleo e para o gás de cozinha enfrentando uma oposição veemente, incluindo uma greve de um dia que fechou o país. E mais reformas estão na calha, enviando um sinal inegável de que a Índia não está pronta para ser abatida, como antes parecera acontecer, por entre relatos de fuga de investidores e de aumento do risco de crédito.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To access our archive, please log in or register now and read two articles from our archive every month for free. For unlimited access to our archive, as well as to the unrivaled analysis of PS On Point, subscribe now.

required

By proceeding, you agree to our Terms of Service and Privacy Policy, which describes the personal data we collect and how we use it.

Log in

http://prosyn.org/z9fQCNO/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.