O Dinamismo Frugal da Índia

NOVA DELI – A economia derrapante da Índia tem inspirado um sentimento de pessimismo e ruína em larga escala, mas esta crescente opinião negativa é despropositada A Índia ainda promete alguma esperança, mas, para compreender como, é necessário pôr de lado os indicadores macroeconómicos e ter em conta uma perspectiva micro. Por exemplo: se pesquisarmos no Google o termo "inovação frugal", os primeiros 20 resultados da pesquisa estarão relacionados com a Índia.

As empresas indianas reconheceram há muito as oportunidades resultantes de satisfazer uma procura anteriormente negligenciada na "base da pirâmide. As saquetas de champô tiveram a sua origem na Índia há mais de duas décadas, criando um mercado para um produto que permitiu às pessoas mais carenciadas o acesso a um artigo que antes não tinham capacidade para comprar. Os indianos que não tinham onde nem como poder comprar um frasco inteiro de champô por 100 rupias passaram a poder comprar uma saqueta por cinco rupias e que dava para uma ou duas utilizações.

Mas a liderança da Índia em termos de “inovação frugal” vai além da redução da dimensão: começa na identificação das necessidades dos consumidores pobres - o próprio termo é em si inovador (quem diria que os pobres poderiam ser consumidores?) - e prossegue desse ponto para trás. Em vez de complicar ou aperfeiçoar os seus produtos, os inovadores indianos simplificam-nos até ao mínimo imprescindível, tornando-os mais baratos, acessíveis, duradouros e eficazes.

To continue reading, please log in or enter your email address.

Registration is quick and easy and requires only your email address. If you already have an account with us, please log in. Or subscribe now for unlimited access.

required

Log in

http://prosyn.org/30W4Dl8/pt;