Margaret Scott

Tempestade democrática na Índia

NOVA DELI - Abril pode ser o mês mais cruel, mas, para os principais partidos políticos da Índia, este ano, Março foi bastante brutal. No dia 6 de Março, após uma “Super Terça-feira” ao estilo norte-americano, a Índia anunciou os resultados de cinco eleições das Assembleias do Estado, que confundiram pesquisadores, surpreenderam especialistas e abalaram o aparelho político complacente.

Nada decorreu conforme o guião. Era esperado que o Partido do Congresso chegasse ao poder em Punjab, onde a “anti-incumbência” crónica tem tradicionalmente impedido a reeleição de qualquer governo estadual. Em vez disso, o dirigente Shiromani Akali Dal venceu de forma convincente. Por outro lado, no estado nordestino de Manipur, o Partido do Congresso deveria ceder terreno aos críticos do seu primeiro-ministro de longa data, Okram Ibobi Singh, que, em vez disso, arrancou uma vitória esmagadora.

No paraíso turístico de Goa, o governo do Congresso deveria ser reeleito, mas foi trucidado por um Partido Bharatiya Janata (BJP) ressurgente. Enquanto isso, os dois partidos viram-se lado a lado no estado de Uttarakhand, sem alegarem uma maioria, embora o Partido do Congresso tenha sido fortemente favorecido nas sondagens.

To continue reading, please log in or enter your email address.

Registration is quick and easy and requires only your email address. If you already have an account with us, please log in. Or subscribe now for unlimited access.

required

Log in

http://prosyn.org/2VgToOo/pt;