A Índia abraça o Estado-providência

NOVA DELI – Nas últimas semanas, o parlamento da Índia, ridicularizado muitas vezes de forma justificada pelas frequentes interrupções que perturbam o seu trabalho, surpreendeu os seus detratores ao aprovar duas peças cruciais da legislação que poderiam transformar a vida de centenas de milhões de pessoas.

A primeira, a Lei de Segurança Alimentar, concede a 67% da população da Índia o direito a terem 35 kg de arroz ou de trigo pelo preço de três rupias (menos de cinco cêntimos de dólar) por quilo. Juntamente com as disposições relacionadas que fornecem refeições a crianças e a gestantes, e leguminosas subsidiadas para complementarem os cereais baratos disponíveis, a lei irá adicionar seis mil milhões de dólares ao défice orçamental anual da Índia. Mas iria também abolir o risco de inanição e desnutrição numa terra onde muitos passam fome há demasiado tempo.

A segunda lei assegura uma compensação justa - deveras generosa - às pessoas, normalmente pequenos agricultores, cujas terras são adquiridas pelo Estado para promover o desenvolvimento. Num país onde dois terços da população ainda dependem da agricultura e onde as pequenas propriedades são o único rendimento da maioria dos indianos, a nova lei ajuda aqueles que muitas vezes se sentem explorados e privados dos seus meios de subsistência pelo poder do domínio eminente do Estado.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To access our archive, please log in or register now and read two articles from our archive every month for free. For unlimited access to our archive, as well as to the unrivaled analysis of PS On Point, subscribe now.

required

By proceeding, you agree to our Terms of Service and Privacy Policy, which describes the personal data we collect and how we use it.

Log in

http://prosyn.org/YAMXHbf/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.