Damien Meyer/AFP/Getty Images

Arejar a roupa suja do FMI

BERKELEY – No seguimento das controversas acções do Fundo Monetário Internacional durante a crise financeira Asiática de 1998, quando condicionou a cedência de liquidez a países em dificuldades à austeridade governamental, o FMI criou um Gabinete de Avaliação Independente (GAI) para empreender avaliações independentes às suas políticas e programas. Esse gabinete publicou agora uma crítica ao papel do Fundo durante a crise Europeia posterior a 2008.

Muitas das conclusões do GAI serão familiares. A vigilância do FMI, destinada a detectar vulnerabilidades e desequilíbrios económicos, foi inadequada. Embora os seus técnicos tenham por vezes apontado para a explosão do crédito, para os profundos défices nas contas correntes, ou para a estagnação da produtividade, acabaram por menosprezar as suas implicações.

Isto reflectiu uma tendência, consciente ou não, para pensar que a Europa era diferente. As suas economias avançadas não apresentavam as mesmas vulnerabilidades dos mercados emergentes. Instituições fortes, como a Comissão Europeia e o Banco Central Europeu, detinham superiores aptidões de gestão. A união monetária, por uma qualquer razão pouco definida, alterou as regras do jogo.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To read this article from our archive, please log in or register now. After entering your email, you'll have access to two free articles from our archive every month. For unlimited access to Project Syndicate, subscribe now.

required

By proceeding, you agree to our Terms of Service and Privacy Policy, which describes the personal data we collect and how we use it.

Log in

http://prosyn.org/P26tDMt/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.