As Ideias antes dos Interesses

CAMBRIDGE – A teoria política mais difundida é também a mais simples: os poderosos conseguem o que querem. A regulação financeira é conduzida pelos interesses dos bancos, a política de saúde pelos interesses das companhias de seguros, e a política fiscal pelos interesses dos ricos. Aqueles que podem influenciar mais o governo – através do controlo de recursos, informação, acesso, ou da mera ameaça de violência – no fim conseguem o que querem.

O mesmo acontece globalmente. A política externa é determinada, diz-se, antes de mais por interesses nacionais – e não por afinidades com outras nações ou por preocupação pela comunidade global. Os acordos internacionais são impossíveis a não ser que estejam alinhados com os interesses dos Estados Unidos e, de modo crescente, com os de outras potências nascentes. Em regimes autoritários, as políticas são a expressão directa dos interesses do governante e dos seus sequazes.

É uma narrativa convincente, com a qual podemos prontamente explicar como a política tantas vezes gera desfechos perversos. Seja em democracias, ditaduras, ou na arena internacional, esses desfechos reflectem a capacidade, que interesses limitados e especiais têm, de alcançar resultados que prejudicam a maioria.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To access our archive, please log in or register now and read two articles from our archive every month for free. For unlimited access to our archive, as well as to the unrivaled analysis of PS On Point, subscribe now.

required

By proceeding, you agree to our Terms of Service and Privacy Policy, which describes the personal data we collect and how we use it.

Log in

http://prosyn.org/yqv5Xvo/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.