A tentação Kennedy

NOVA IORQUE – Há cinquenta anos, neste mês, o Presidente John F. Kennedy foi assassinado em Dallas, Texas. Muitos americanos acreditam que este evento trágico marcou a perda da inocência nacional. Isso é um absurdo, é claro. A história dos Estados Unidos, como a de todos os países, está ensopada de sangue.

Mas, vista sob a perspectiva actual, a presidência de Kennedy parece ser um ponto alto do prestígio americano. Menos de cinco meses antes da sua morte violenta, Kennedy provocou um enorme ajuntamento de alemães no centro de Berlim, a fronteira da Guerra Fria, devido ao entusiasmo quase histérico das suas famosas palavras, “Ich bin ein Berliner”.

Para muitos milhões de pessoas, a América de Kennedy representava liberdade e esperança. À semelhança do país que representava, Kennedy e a sua esposa, Jacqueline, pareciam tão jovens, glamorosos, ricos e cheios de energia benevolente. Os EUA eram um lugar que se admirava, um modelo, uma força do bem num mundo cheio de maldade.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To continue reading, please log in or register now. After entering your email, you'll have access to two free articles every month. For unlimited access to Project Syndicate, subscribe now.

required

By proceeding, you are agreeing to our Terms and Conditions.

Log in

http://prosyn.org/NrANi3y/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.