stiglitz277_TERADAT SANTIVIVUT_getty images_graph Teradat Santivivut/Getty Images

Como evitar a iminente crise da dívida soberana

NOVA IORQUE – Enquanto a pandemia de COVID-19 segue enfurecida, mais de 100 países de baixo e médio rendimento ainda terão de pagar um total de 130 mil milhões de dólares do serviço da dívida este ano – cerca de metade destina-se a credores privados. Com muita atividade económica suspensa e receitas fiscais em queda livre, muitos países serão forçados a cair em incumprimento. Outros reunirão recursos escassos para pagar aos credores, cortando nas despesas sociais e de saúde tão necessárias. Outros ainda recorrerão a empréstimos adicionais, de forma a evitar ou adiar o problema, que agora parece ser aparentemente mais fácil por causa da inundação de liquidez por parte dos bancos centrais de todo o mundo.

Desde a década perdida da América Latina na década de 1980 até à crise grega mais recente, há muitos recordações dolorosas sobre o que acontece quando os países não conseguem pagar as suas dívidas. Uma crise global da dívida nos nossos dias levará milhões de pessoas para o desemprego e alimentará a instabilidade e a violência em todo o mundo. Muitos tentarão encontrar emprego no estrangeiro, sobrecarregando potencialmente os sistemas de controlo de fronteiras e imigração na Europa e na América do Norte. Outra crise migratória dispendiosa desviará a atenção da necessidade urgente de fazer face às alterações climáticas. Essas emergências humanitárias estão a tornar-se a nova norma.

Este cenário de pesadelo é evitável se agirmos agora. As origens da iminente crise da dívida são fáceis de entender. Devido à flexibilização quantitativa, a dívida pública (principalmente títulos soberanos) dos países de baixo e médio rendimento mais do que triplicou desde a crise financeira global de 2008. Os títulos soberanos são mais arriscados do que a dívida “oficial” com instituições multilaterais e agências de ajuda de países desenvolvidos porque os credores podem descartá-los por capricho, provocando uma forte depreciação cambial e outras perturbações económicas de longo alcance.

We hope you're enjoying Project Syndicate.

To continue reading, subscribe now.

Subscribe

or

Register for FREE to access two premium articles per month.

Register

https://prosyn.org/ExHPVlXpt