Mark Weber

Novo modelo para a Europa

ROMA – É cada vez mais evidente que, se a Europa superar a sua crise, as práticas habituais não serão suficientes. Precisamos de uma Europa que seja mais concreta, menos retórica e mais adequada à actual economia mundial. Precisamos de nos concentrar não apenas nas políticas específicas da União Europeia, mas também sobre como alterar a sua “política” – uma mudança que deve colocar o crescimento económico no topo da agenda.

A Europa não precisa de um debate que esteja entre a austeridade e o crescimento; precisa que seja pragmático. Um bom exemplo disso foi o mais recente Conselho Europeu, que abordou dois dos problemas mais prementes da Europa: o mau funcionamento dos mercados de trabalho, reflectido nas elevadas taxas recorde de desemprego entre os jovens, e o mau funcionamento dos mercados de crédito, nos quais o acesso ao financiamento é difícil e as taxas de empréstimos variam consideravelmente entre as diferentes partes do mercado único.

O resultado da reunião do Conselho, em Junho, foi encorajador e temos de continuar nesse caminho nos próximos meses para progredirmos em duas questões igualmente importantes: como promover a inovação e a economia digital; e como garantir a competitividade industrial da Europa.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To continue reading, please log in or register now. After entering your email, you'll have access to two free articles every month. For unlimited access to Project Syndicate, subscribe now.

required

By proceeding, you are agreeing to our Terms and Conditions.

Log in

http://prosyn.org/LBuNgIc/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.