Como Ajudar a Birmânia

RANGUM – Por todo o Médio Oriente, e agora na Birmânia (Myanmar), ressurgiu uma das grandes questões da política global contemporânea: Como podem os países evoluir de um autoritarismo decadente para uma qualquer forma de pluralismo auto-sustentado? Os ministros dos negócios estrangeiros em toda a parte, por sua vez, enfrentam questões políticas cruciais. Quando um país lança uma tal transição política, em que momento devem outros países ajudar, e qual a melhor maneira de fazê-lo?

As transições felizes, parafraseando Tolstoi, são todas iguais; mas cada transição infeliz é infeliz à sua própria maneira. As transições felizes através de grande parte da Europa Central, a seguir ao fim da Guerra Fria, foram facilitadas pelo facto de que a velha ordem comunista mais ou menos morreu por si e renunciou pacificamente ao poder. Isto, juntamente com o apoio generoso da Europa Ocidental, dos Estados Unidos, e de outros, ajudou a criar um ambiente conducente à reconciliação, permitindo a cada país enfrentar, de um modo comedido e não vingativo, as muitas e difíceis questões morais difíceis decorrentes do obscuro passado recente.

Acima de tudo, talvez, estas transições tomaram lugar por entre uma mais ampla rede de instituições legítimas – a União Europeia, a OSCE, a OTAN e o Conselho da Europa – que defendem o estado de Direito. Este contexto propício forneceu um roteiro aos legisladores nacionais, ajudando-os a construir instituições democráticas e a marginalizar extremistas.

To continue reading, please log in or enter your email address.

Registration is quick and easy and requires only your email address. If you already have an account with us, please log in. Or subscribe now for unlimited access.

required

Log in

http://prosyn.org/aZKlVBO/pt;