O argumento a favor da Índia

NOVA DELI – Os fãs indianos de críquete são maníaco-depressivos no modo como tratam as suas equipas favoritas. Veneram os jogadores como se fossem deuses quando as equipas jogam bem, ignorando as fraquezas óbvias; mas quando perdem, como acontece a qualquer equipa, a queda é igualmente excessiva e todas as fraquezas são dissecadas. Na verdade, a equipa nunca é tão boa quando ganha, nem tão má quando perde, quanto os fãs a fazem parecer. As suas fraquezas também estão presentes nas vitórias, mas são toleradas.

Tal comportamento bipolar parece aplicar-se também à avaliação da economia da Índia, com os analistas estrangeiros a juntarem-se aos indianos em oscilações entre o excesso de exuberância e a auto-flagelação. Há alguns anos, a Índia não conseguia fazer nada errado. Os comentadores falavam da “Chindia”, elevando o desempenho da Índia ao do seu vizinho do Norte. Hoje, a Índia não consegue fazer nada certo.

A Índia tem graves problemas. O crescimento anual do PIB desacelerou significativamente no último trimestre, para os 4,4%, a inflação de preços ao consumidor é alta e os défices da balança corrente e orçamental no ano passado foram muito grandes. Hoje, todos os comentadores destacam as infra-estruturas pobres da Índia, o excesso de regulação, o sector industrial pequeno e a mão-de-obra que carece de instrução e de competências adequadas.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To continue reading, please log in or register now. After entering your email, you'll have access to two free articles every month. For unlimited access to Project Syndicate, subscribe now.

required

By proceeding, you are agreeing to our Terms and Conditions.

Log in

http://prosyn.org/b1li8sy/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.