Como o Ocidente foi Reconquistado

PARIS – Em 2005, na Royal Academy of Arts em Londres, uma prestigiada exposição patrocinada pelo Governo Chinês, “Os Três Imperadores,” celebrava a grandeza da arte Chinesa. A peça central do evento era uma pintura gigante ao estilo Europeu (Jesuíta) representando os enviados do mundo Ocidental enfileirados para prestar homenagem ao imperador Chinês. A mensagem não podia ser mais explícita: “A China está de volta.” O Ocidente teria que prestar tributo à China no futuro do mesmo modo que a ela se tinha submetido no passado.

Em 2012, a China está à beira de se tornar a maior economia do mundo e é de longe a maior das potências emergentes. Contudo, dois fenómenos simultâneos sugerem que o Ocidente possa ter sido enterrado prematuramente pelas suas próprias Cassandras e por especialistas Asiáticos que se comportam por vezes como “Ocidentais arrogantes”.

Primeiro, o Ocidente, especialmente a Europa, está lentamente a avaliar a dimensão do desafio Asiático. Segundo, está a fazê-lo ao mesmo tempo que os países emergentes começam a sentir as consequências de uma crise económica mundial que tem a Europa como o seu epicentro. Por outras palavras, está a emergir um novo equilíbrio de forças e fraquezas sob a superfície dos acontecimentos – e que vai em sentido contrário aos mantras correntes. A Europa acordou para o desafio Asiático ao mesmo tempo que a sua crise se expõe e intensifica as fraquezas económicas, políticas e sociais dos países emergentes.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To continue reading, please log in or register now. After entering your email, you'll have access to two free articles every month. For unlimited access to Project Syndicate, subscribe now.

required

By proceeding, you are agreeing to our Terms and Conditions.

Log in

http://prosyn.org/wyZBjAF/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.