A prisão norte-americana dos mortos-vivos

NOVA IORQUE – Porquê acrescentar alguma coisa a algo que não é suposto existir?

O que está em questão é a prisão dos Estados Unidos na Baía de Guantánamo, para a qual o Pentágono pediu recentemente 49 milhões de dólares em financiamento extra. Apesar da promessa de Barack Obama em 2009 - uma das suas primeiras, na qualidade de Presidente - de encerrar a “Gitmo”, é evidente que os EUA não têm a menor intenção de o fazer em breve. Na verdade, a única coisa relacionada com a prisão de Guantánamo que a administração Obama encerrou foi o gabinete do enviado especial, Daniel Fried, que estava encarregado do seu encerramento. O departamento de Estado dos EUA reatribuiu o cargo a Fried, no passado mês de Janeiro, e ele não será substituído.

De que melhor forma se poderá comemorar essa decisão a não ser com um boom de construção na prisão? A nova unidade, para a qual o dinheiro está destinado, irá albergar 106 presos (o número exacto é incerto), que ainda não foram nem julgados nem acusados.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To access our archive, please log in or register now and read two articles from our archive every month for free. For unlimited access to our archive, as well as to the unrivaled analysis of PS On Point, subscribe now.

required

By proceeding, you agree to our Terms of Service and Privacy Policy, which describes the personal data we collect and how we use it.

Log in

http://prosyn.org/doTw0lx/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.