Como a Europa Pode Salvar a Europa

LONDRES – Durante a sua reunião em Roma na última quinta-feira, os líderes das quatro maiores economias da zona euro concordaram em medidas no sentido de uma união bancária e num modesto pacote de estímulo para complementar o novo “compacto fiscal” da União Europeia. Estas medidas não são suficientes.

A Chanceler Alemã Angela Merkel resistiu a todas as propostas para providenciar alívio, à Espanha e à Itália, dos excessivos prémios de risco que ambos os países agora enfrentam. Como resultado, a próxima cimeira da UE pode transformar-se num fiasco, que bem pode ser letal, porque deixaria o resto da zona euro sem uma barreira de protecção financeira suficientemente forte para o proteger da possibilidade de uma saída Grega.

Mesmo que uma calamidade fatal possa ser evitada, a divisão entre países credores e devedores será reforçada, e os países da “periferia” não terão hipótese de retomar a competitividade, porque o terreno de jogo está inclinado contra eles. Isto pode servir o estrito interesse próprio da Alemanha, mas criará uma Europa muito diferente da sociedade aberta que incendiou a imaginação dos povos e impulsionou a integração Europeia durante décadas. Tornará a Alemanha o centro de um império e subordinará permanentemente a “periferia.” Isso não é o que Merkel e a esmagadora maioria dos Alemães defendem.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To access our archive, please log in or register now and read two articles from our archive every month for free. For unlimited access to our archive, as well as to the unrivaled analysis of PS On Point, subscribe now.

required

By proceeding, you agree to our Terms of Service and Privacy Policy, which describes the personal data we collect and how we use it.

Log in

http://prosyn.org/RvypsxV/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.