O Sucesso do Brasil

CAMBRIDGE – A recente visita da Presidenta Dilma Rousseff aos Estados Unidos nos oferece uma oportunidade para refletir sobre o sucesso do crescimento de países como o Brasil. Instituições de desenvolvimento, como o Banco Mundial, pregam que o aprimoramento das leis comerciais é fundamental. Estão certos?

Trata-se de raciocínio tão antigo quanto o argumento de Max Weber de que um ambiente de negócios requer uma infraestrutura jurídica tão previsível quanto um relógio. Investidores, portanto, precisam de leis claras e tribunais eficientes. Sob tal ótica, o respeito aos contratos e a existência de mecanismos de proteção a investidores são alicerces na construção de um mercado financeiro que, por sua vez, estimula crescimento econômico. Havendo incerteza sobre a devolução de recursos emprestados, potenciais financiadores simplesmente deixarão de realizar empréstimos, empresas deixarão de crescer e, por extensão, não haverá desenvolvimento econômico. Assim, para os que defendem essa tese, as instituições e as leis vêm primeiro; o desenvolvimento econômico virá em seguida.

Por mais convincente que pareça a lógica acima, o crescimento do Brasil, aparentemente, não a confirma: o crescimento econômico não foi precedido ou sequer acompanhado por melhoras substanciais na infraestrutura jurídica do país.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To read this article from our archive, please log in or register now. After entering your email, you'll have access to two free articles every month. For unlimited access to Project Syndicate, subscribe now.

required

By proceeding, you agree to our Terms of Service and Privacy Policy, which describes the personal data we collect and how we use it.

Log in

http://prosyn.org/t7KLCZa/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.