Dentro da Batalha Fiscal da América

BERKELEY – A recente eleição presidencial da América respondeu à questão de um aumento nas receitas fazer parte do plano de longo prazo para a redução do défice nacional. A resposta é sim: existe agora acordo entre os dois partidos relativamente à necessidade de uma abordagem “equilibrada” que inclua aumentos nas receitas e cortes nas despesas.

Mas ainda existem profundas divisões políticas e ideológicas sobre como deverão ser cobradas receitas adicionais e sobre quem deverá pagar mais impostos. Se um acordo preliminar sobre estas questões não for alcançado no fim do ano, a economia enfrenta um “abismo fiscal” de 600 mil milhões de dólares em aumentos de impostos e cortes na despesa automáticos que retirarão cerca de 4% ao PIB e despoletarão uma recessão.

A maioria dos cidadãos concorda com o Presidente Barack Obama em que os aumentos de impostos para a redução do défice deveriam recair nos 2-3% de contribuintes com maiores rendimentos, que gozaram dos maiores ganhos de rendimento e riqueza durante os últimos 30 anos. É por isso que ele propõe que seja permitido que as deduções fiscais de 2001 e 2003 para estes contribuintes expirem no fim do ano, ao mesmo tempo que são prolongadas as deduções fiscais para outros contribuintes.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To read this article from our archive, please log in or register now. After entering your email, you'll have access to two free articles from our archive every month. For unlimited access to Project Syndicate, subscribe now.

required

By proceeding, you agree to our Terms of Service and Privacy Policy, which describes the personal data we collect and how we use it.

Log in

http://prosyn.org/IYUJkiu/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.