hausmann87_Robert NickelsbergGetty Images_zoom Robert Nickelsberg/Getty Images

O Zoom não conseguirá salvar o mundo

CAMBRIDGE – Antes do COVID-19, as despesas com viagens de negócios chegavam a US$ 1,5 trilhão por ano (cerca de 1,7% do PIB mundial). Agora não representam quase nada, uma vez que os países fecharam suas fronteiras e o distanciamento social foi estabelecido. Agora, com aviões parados, hotéis fechados e executivos não mais acumulam suas milhas de suas frequentes viagens. Milhões de empregos no setor de viagens e hotelaria estão sofrendo as consequências. Mas se fosse apenas isso, o impacto, por maior que fosse, provavelmente seria muito menor que o declínio generalizado do turismo internacional e facilmente reversível quando a pandemia terminasse.

Infelizmente, uma recente pesquisa do Frank Neffke, da Universidade de Harvard, Michele Coscia da Universidade de TI de Copenhague, e eu, recém publicada na revista Nature Human Behavior, revisada por colegas, informa que o impacto da paralisação das empresas de viagens pode ser muito maior e durar por muito mais tempo. Para entender o porquê, primeiro precisamos nos perguntar por que o setor de viagens de negócios era tão grande e por que cresceu três vezes mais que a taxa do PIB global, apesar da disponibilidade do Skype, Facetime, WhatsApp ou apenas do e-mail – todas essas ferramentas anteriores ao COVID-19 e ao Zoom.

Seria tudo uma questão de privilégios, ou esse US$ 1,5 trilhão seria principalmente dinheiro bem gasto? Em caso afirmativo, por que e quais são as implicações caso essas atividades sejam restringidas agora?

We hope you're enjoying Project Syndicate.

To continue reading, subscribe now.

Subscribe

or

Register for FREE to access two premium articles per month.

Register

https://prosyn.org/xorid6jpt