Polio vaccine Media for medical/Getty Images

Ajudar as heroínas que erradicam a poliomielite

NOVA IORQUE –No mês passado, os governos mundiais e outros doadores prometeram 1,2 mil milhões de dólares para ajudarem a encaminhar a luta pela erradicação da poliomielite, que dura há trinta anos, para a reta final. No seu auge, a epidemia de poliomielite causou 350 mil casos de paralisia em crianças, todos os anos. No ano passado, apenas 37 casos foram registados. Este ano, até à data, o número situa-se no seis.

Mas embora estas conquistas sejam históricas, a vitória sobre a poliomielite ainda não está assegurada.  E um factor –o papel dos vacinadores do sexo feminino –será decisivo para o sucesso.

As mulheres há muito que estão na linha da frente do esforço mundial para acabar com a poliomielite. Em lugares como as zonas tribais do Paquistão, muitas vezes os vacinadores do sexo masculino não são permitidos a entrar em casa de um estranho, ao passo que os trabalhadores da saúde do sexo feminino podem dar a vacina a crianças vulneráveis, juntamente com outras imunizações de rotina e serviços básicos de saúde.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To read this article from our archive, please log in or register now. After entering your email, you'll have access to two free articles from our archive every month. For unlimited access to Project Syndicate, subscribe now.

required

By proceeding, you agree to our Terms of Service and Privacy Policy, which describes the personal data we collect and how we use it.

Log in

http://prosyn.org/f6KNslh/pt;

Handpicked to read next

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.