Hong Kong Skyline Richard A. Brooks/Getty Images

O último suspiro da globalização

LONDRES – A eleição de Donald Trump para presidente dos Estados Unidos significa que a globalização morreu, ou serão extremamente exagerados os relatos do desaparecimento deste processo? Se a globalização estiver apenas parcialmente incapacitada, e não em estado terminal, deveríamos preocupar-nos? Qual será o impacto, no futuro próximo, de um crescimento mais lento do comércio sobre a economia global?

O crescimento do comércio mundial estaria a abrandar, mesmo sem a eleição de Trump. O crescimento já tinha estagnado no primeiro trimestre de 2016, e caiu quase 1% no segundo trimestre. Isto prossegue uma tendência anterior: desde 2010, o comércio global crescera a uma taxa anual de apenas 2%. Se juntarmos o facto de que a produção mundial de bens e serviços aumentou mais de 3%, isto significa que o rácio comércio/PIB tem vindo a cair, contrariamente à sua marcha ascendente contínua em anos anteriores.

Os peritos da globalização defendem que esta trajectória perturbante reflecte o ressurgimento do proteccionismo, manifestado pela oposição popular à Parceria Trans-Pacífico (PTP) e à Parceria Transatlântica de Comércio e Investimento (PTCI), e agora pela vitória eleitoral de Trump. Significa que os benefícios da abertura e da especialização estão a ser desperdiçados.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To read this article from our archive, please log in or register now. After entering your email, you'll have access to two free articles from our archive every month. For unlimited access to Project Syndicate, subscribe now.

required

By proceeding, you agree to our Terms of Service and Privacy Policy, which describes the personal data we collect and how we use it.

Log in

http://prosyn.org/QMsmTaw/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.