Imobilizar os assassinos na Síria

NOVA IORQUE - Como a Síria caiu numa total guerra civil, grande parte do agravamento da carnificina tem sido atribuído aos bombardeamentos aéreos das áreas residenciais controladas pelos opositores do presidente Bashar al-Assad, tendo esses ataques causado sobretudo nas últimas semanas, uma extensa lista de mortos e feridos na antiga cidade de Aleppo. Será que não se pode fazer nada para acabar com a matança?

Existem muito boas razões para não se intervir militarmente. Por um lado, seria impossível fazê-lo, sob os auspícios das Nações Unidas, devido à obstrução russa e chinesa no Conselho de Segurança. Há também a relutância compreensível, por parte dos EUA, em se envolver em mais uma guerra num país islâmico, bem como a impossibilidade de se saber que tipo de regime poderá surgir se e quando Assad for derrubado.

No entanto, também parece impossível ficar de braços cruzados enquanto o banho de sangue continua diariamente. A situação na Síria assemelha-se cada vez mais ao que testemunhámos na Bósnia, há 20 anos. Nessa altura, como agora, a resposta principal da comunidade internacional por um período prolongado foi prestar assistência humanitária ao crescente número de vítimas do conflito.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To continue reading, please log in or register now. After entering your email, you'll have access to two free articles every month. For unlimited access to Project Syndicate, subscribe now.

required

By proceeding, you are agreeing to our Terms and Conditions.

Log in

http://prosyn.org/23D0dIp/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.