Skip to main content

aklein1_MorganaWingardGettyImages_capetowngirlgettingwater Morgana Wingard/Getty Images

Financiar investimentos climáticos inteligentes em África

WASHINGTON, DC – Na noite de 14 de Março, o ciclone tropical Idai atingiu a costa sudeste de África. No mesmo dia, a cerca de 2700 quilómetros a norte, reuni-me com líderes mundiais e especialistas em clima na terceira Cimeira do Planeta Único (OPS) em Nairobi, no Quénia. Os dois cenários não poderiam ter sido mais diferentes - ou mais estreitamente ligados.

A emergência humanitária desencadeada pelo Idai continua a desenvolver-se. A Beira, em Moçambique, com mais de 500 mil habitantes, sofreu as consequências do impacto do ciclone. Mas as consequências vão muito além, porque a Beira é o lar do principal porto para alguns dos seus vizinhos regionais, incluindo os países que não têm litoral Malawi e o Zimbabué. Um lago interior do tamanho do Luxemburgo está agora a desalojar centenas de milhares de pessoas nos três países.

Numa altura em que as alterações climáticas estão a tornar os eventos climáticos catastróficos mais comuns, o Idai representa um duro lembrete da nossa responsabilidade coletiva em aumentar a resiliência, especialmente nas áreas mais vulneráveis. Afinal de contas, tal como o orçamento severamente “esticado” da Beira deixa claro, os custos de se ficar à espera das catástrofes são muito mais elevados. De acordo com o “Lloyd’s City Risk Index”, mesmo num cenário prudente, os riscos relacionados com o clima podem custar às cidades 123 mil milhões de dólares por ano, em média, em PIB perdido.

We hope you're enjoying Project Syndicate.

To continue reading, subscribe now.

Subscribe

Get unlimited access to PS premium content, including in-depth commentaries, book reviews, exclusive interviews, On Point, the Big Picture, the PS Archive, and our annual year-ahead magazine.

https://prosyn.org/rrTzG13/pt;
  1. sinn88_Sean GallupGetty Images_mario draghi ecb Sean Gallup/Getty Images

    The ECB’s Beggar-thy-Trump Strategy

    Hans-Werner Sinn

    The European Central Bank's decision to cut interest rates still further and launch another round of quantitative easing raises serious concerns about its internal decision-making process. The ECB is pursuing an exchange-rate policy in all but name, thus putting Europe on a collision course with the Trump administration.

    3

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated Cookie policy, Privacy policy and Terms & Conditions