greeks celebrate no vote Chris Stowers/ZumaPress

O "Não" da Grécia não representa uma vitória para a democracia

PARIS – Não obstante o que muitos afirmam (especialmente aqueles que não têm de arcar com as consequências das suas palavras), o facto de os eleitores gregos terem rejeitado, no domingo, a última oferta de resgate por parte dos credores do seu país, não representa uma "vitória para a democracia". Isto porque a democracia, como os gregos sabem melhor do que ninguém, é uma questão de mediação, de representação e de uma delegação de poderes ordenada. Não é normalmente uma questão de referendo.

A democracia apenas se torna uma questão de referendo em circunstâncias excepcionais: quando os líderes eleitos ficam sem ideias, quando perdem a confiança dos seus eleitores, ou quando as abordagens habituais deixam de produzir bons resultados. Terá sido esse o caso na Grécia? Será que o Primeiro-Ministro Alexis Tsipras estava numa posição tão fragilizada que não lhe restava outra opção senão a de passar a bola ao seu povo através do recurso a uma forma excepcional de democracia, que é a democracia por referendo? O que aconteceria se cada vez que se vissem confrontados com uma decisão que não tinham coragem de adoptar, os parceiros da Grécia suspendessem as discussões e pedissem uma semana para permitir à população decidir?

Costuma dizer-se (e com razão) que a Europa é demasiado burocrática, demasiado complicada e muito lenta na tomada de decisões. O mínimo que se pode dizer é que a abordagem de Tsipras não vem remediar estas lacunas. (Poder-se-ia dizer muito mais, se tal inspirasse os cidadãos espanhóis a tomar a decisão arriscada de eleger um governo liderado pelo seu próprio partido anti-austeridade, Podemos.)

To continue reading, please log in or enter your email address.

Registration is quick and easy and requires only your email address. If you already have an account with us, please log in. Or subscribe now for unlimited access.

required

Log in

http://prosyn.org/dYjdTfy/pt;