Greek Parliament Kostas Pikoulas/ZumaPress

Plano vingativo de privatização para a Grécia da Europa

ATENAS – No dia 12 de julho, a cimeira com os líderes da zona euro ditou os seus termos de rendição ao primeiro-ministro grego, Alexis Tsipras, que, aterrorizado com as alternativas, aceitou todos eles. Um desses termos dizia respeito à disposição dos restantes ativos públicos da Grécia.

Os líderes da zona euro exigiram que os ativos públicos gregos sejam transferidos para um fundo tipo Treuhand - um veículo de venda urgente semelhante ao utilizado após a queda do Muro de Berlim para privatizar rapidamente, com grande prejuízo financeiro e com efeitos devastadores no emprego de toda a propriedade pública do Estado alemão oriental que desvaneceu.

Este Treuhand grego seria sediado no – esperem por isso – Luxemburgo e seria gerido por uma equipa orientada pelo ministro das Finanças da Alemanha, Wolfgang Schäuble, o autor do esquema. Isso iria concluir as vendas urgentes no espaço de três anos. Mas, atendendo a que o trabalho do Treuhand original foi acompanhado por investimentos maciços em infraestruturas por parte da Alemanha Ocidental e por transferências sociais em larga escala para a população da Alemanha Oriental, o povo da Grécia não receberia nenhum benefício correspondente de qualquer espécie.

To continue reading, please log in or enter your email address.

Registration is quick and easy and requires only your email address. If you already have an account with us, please log in. Or subscribe now for unlimited access.

required

Log in

http://prosyn.org/XBMEFSk/pt;