Merkel Tsipras Wikimedia Commons

Salvar a Grécia, Salvar a Europa

BERKELEY – O que quer que se pense sobre as tácticas do governo do Primeiro-Ministro grego Alexis Tsipras nas negociações com os credores do país, o povo grego merece melhor do que aquilo que lhe está a ser oferecido. A Alemanha quer que a Grécia escolha entre cair no colapso económico e deixar a zona euro. As duas opções implicam um desastre económico; a primeira, se não mesmo ambas, seria também politicamente desastrosa.

Quando, em 2007, escrevi que nenhum Estado-Membro abandonaria voluntariamente a zona euro, salientei os elevados custos económicos que uma tal decisão acarretaria. O governo grego mostrou que compreende este facto. Após o referendo, concordou com o que o seu governo (e os eleitores) tinha acabado de rejeitar: um conjunto de condições muito difíceis e dolorosas. Tsipras e o seu novo Ministro das Finanças, Euclides Tsakalotos, desdobraram-se em diligências para tranquilizar os credores da Grécia.

Mas quando cheguei à conclusão que nenhum país deixaria a zona euro, não consegui imaginar que a Alemanha iria forçar a saída de outro Estado-Membro. Esta medida seria claramente o resultado das condições politicamente intoleráveis e economicamente perversas apresentadas pelo Ministério das Finanças da Alemanha.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To read this article from our archive, please log in or register now. After entering your email, you'll have access to two free articles every month. For unlimited access to Project Syndicate, subscribe now.

required

By proceeding, you agree to our Terms of Service and Privacy Policy, which describes the personal data we collect and how we use it.

Log in

http://prosyn.org/pxkNpuE/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.