A Globalização da NATO

PRINCETON - Na próxima semana, os 28 membros da NATO irão realizar a sua cimeira anual em Chicago. Sessenta e dois anos após a assinatura do Tratado do Atlântico Norte, no qual os Estados Unidos, o Canadá e dez países europeus estabelecem que um ataque contra um destes países será considerado como um ataque contra todos, a ONU está a transformar-se numa organização de segurança global do século XXI. O resultado será um mundo mais seguro.

Em 1949, o mundo estava a dividir-se rapidamente em dois grandes blocos político-militares, o Leste e o Oeste, em paralelo com um grande "movimento não-alinhado". A NATO enfrentou o Pacto de Varsóvia, criado pela União Soviética e seus aliados em 1955. Em ambos os blocos, as potências menores agruparam-se em torno da superpotência. Não houve flexibilidade por parte de nenhum dos blocos para que grupos mais pequenos de membros pudessem dispor dos meios da aliança.

Actualmente, a NATO está a tornar-se, segundo as palavras do seu secretário-geral, Anders Fogh Rasmussen, "um polo de uma rede de parcerias de segurança e um centro de consultoria sobre questões de segurança global." É uma "instituição globalmente interligada", com mais de 40 países parceiros e com laços crescentes relativamente a outras organizações internacionais.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To continue reading, please log in or register now. After entering your email, you'll have access to two free articles every month. For unlimited access to Project Syndicate, subscribe now.

required

By proceeding, you are agreeing to our Terms and Conditions.

Log in

http://prosyn.org/hzfNHxy/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.