A cacofonia do mundo

PARIS – Na sua obra-prima Diplomacy (Diplomacia), Henry Kissinger descreve, provavelmente de uma forma muito idílica, o sistema internacional de equilíbrio de poder que, depois do Congresso de Viena em 1814-1815, originou o que viria a ser conhecido como o “concerto da Europa”. Tal como Kissinger descreve, após as guerras napoleónicas “não só houve um equilíbrio físico, mas também um equilíbrio moral. O poder e a justiça estavam em grande harmonia”. É claro que o concerto terminou numa cacofonia com o rebentamento da Primeira Guerra Mundial, no Verão de 1914.

Hoje, após a brutalidade da primeira metade do século XX, a bipolaridade temporária da Guerra Fria e a breve posição de superpotência dos EUA pós-1989, o mundo está novamente à procura de uma nova ordem internacional. Pode algo como o concerto da Europa ser globalizado?

Infelizmente, a cacofonia global parece mais provável de o ser. Uma razão óbvia é a ausência de um julgador reconhecido e aceite internacionalmente. Os Estados Unidos, que melhor personificam o poder máximo, estão com menos vontade - e são menos capazes - de exercer essa função. E a ONU, que melhor personifica os princípios da ordem internacional, nunca esteve tão dividida e tão impotente.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To read this article from our archive, please log in or register now. After entering your email, you'll have access to two free articles every month. For unlimited access to Project Syndicate, subscribe now.

required

By proceeding, you agree to our Terms of Service and Privacy Policy, which describes the personal data we collect and how we use it.

Log in

http://prosyn.org/3PtHOH4/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.