Tentar Tudo

BERKELEY – Quando, no fim de 2008, se tornou claro que a economia global se dirigia para um crash pelo menos tão perigoso como o que iniciara a Grande Depressão, fiquei alarmado, mas também esperançoso. Afinal, já tínhamos visto tudo isto. E também tínhamos um modelo para como mitigar os danos; infelizmente, os legisladores deixaram-no na prateleira.

Durante os três anos e meio que se seguiram ao início da Grande Depressão, a maior prioridade do Presidente dos EUA, Herbert Hoover, consistia em equilibrar o orçamento, tentando – mas acabando por falhar – restaurar a confiança das empresas. Em 1933, o recém-eleito Presidente Franklin D. Roosevelt alterou o rumo, adoptando uma estratégia simples, mas radical: tentar tudo o que pudesse impulsionar a procura, aumentar a produção, ou reduzir o desemprego – e depois insistir nas coisas que funcionam.

Roosevelt abandonou as tentativas para equilibrar o orçamento, aumentou a oferta de moeda, e iniciou o défice orçamental público. Retirou os Estados Unidos do padrão-ouro, fez com que o governo contratar trabalhadores directamente, e ofereceu garantias aos empréstimos de quem estava em perigo de perder as suas casas. Cartelizou a indústria petrolífera e instituiu agressivas políticas de defesa da concorrência (NdT: antitrust, no original) para desagregar os monopólios.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To continue reading, please log in or register now. After entering your email, you'll have access to two free articles every month. For unlimited access to Project Syndicate, subscribe now.

required

By proceeding, you are agreeing to our Terms and Conditions.

Log in

http://prosyn.org/QDhkdiK/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.