krauss56_Clemens Bilan - PoolGetty Images_baerbockscholz Clemens Bilan/Pool/Getty Images

Adeus ao status quo alemão

STANFORD – O forte desempenho dos Verdes nas eleições federais da Alemanha – embora não tão forte como o partido esperava há apenas algumas semanas – dá esperança de que o país vai finalmente começar a avançar numa direção mais promissora. Isso pode significar o afastamento das posturas favoráveis aos governos autoritários da chanceler cessante, Angela Merkel, principalmente o seu apoio ao gasoduto Nord Stream 2 entre a Alemanha e a Rússia, e a defesa de um acordo de investimento da UE com a China (que, entretanto, já foi travado pelo Parlamento Europeu).

Ao contrário da União Democrática Cristã (CDU) de Merkel e do Partido Social Democrata (SPD) – ambos os quais demonstraram uma tendência pró-Rússia desde o governo do chanceler Gerhard Schröder (1998-2005) – os Verdes são a favor de políticas mais duras em relação à Rússia e à China. Além disso, agora estão numa posição de manter sob controlo o preconceito do SPD em relação à Rússia, já que se poderiam juntar ao candidato a chanceler, Olaf Scholz, numa nova coligação governamental que remeteria a CDU à oposição.

Durante o debate final da campanha na televisão, Scholz e Annalena Baerbock, dos Verdes, manifestaram-se a favor precisamente deste acordo. Embora a formação de um novo governo possa ser um processo lento e várias combinações e permutações sejam possíveis, os Verdes estão preparados para desempenhar um papel fundamental em quase todas elas. São o denominador comum e esse facto não terá passado despercebido ao presidente russo, Vladimir Putin, que muitos alemães acreditam ter agido nos bastidores na tentativa de minimizar a importância do sucesso eleitoral dos Verdes.

We hope you're enjoying Project Syndicate.

To continue reading, subscribe now.

Subscribe

or

Register for FREE to access two premium articles per month.

Register

https://prosyn.org/NxDby3Fpt