EEAS/Flickr

Como a Ucrânia pode salvar a Europa

NOVA IORQUE – As eleições do último fim-de-semana para o Parlamento Europeu e as eleições presidenciais na Ucrânia produziram resultados francamente contrastantes. Os eleitores Europeus exprimiram a sua insatisfação com o modo de funcionamento actual da União Europeia, enquanto o povo da Ucrânia demonstrava o seu desejo de associação com a UE. Os líderes e cidadãos Europeus deveriam aproveitar esta oportunidade para reflectir sobre o que isso significa – e sobre como a ajuda à Ucrânia também poderia servir para ajudar a Europa.

A UE foi originalmente concebida para ser uma associação cada vez mais próxima de estados soberanos, dispostos a partilhar uma parte cada vez maior da sua soberania para o bem comum. Foi uma experiência ousada de governação internacional e do estado de direito, apontada à substituição do nacionalismo e do uso da força.

Infelizmente, a crise do euro transformou a UE em qualquer coisa radicalmente diferente: um relacionamento entre credores e devedores em que os países credores impõem condições que perpetuam o seu domínio. Dada a baixa afluência às eleições para o Parlamento Europeu, e se o apoio ao Primeiro-Ministro Italiano Matteo Renzi fosse adicionado ao voto anti-UE à esquerda e à direita, poderia defender-se que a maioria dos cidadãos se opõe às condições actuais.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To read this article from our archive, please log in or register now. After entering your email, you'll have access to two free articles from our archive every month. For unlimited access to Project Syndicate, subscribe now.

required

By proceeding, you agree to our Terms of Service and Privacy Policy, which describes the personal data we collect and how we use it.

Log in

http://prosyn.org/Brem2FV/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.