O problema dos Estados Unidos com a China

WASHINGTON, DC – Xi Jinping, o recente sagrado Presidente da China, fez a sua primeira visita aos Estados Unidos em Maio de 1980. Era um oficial subalterno de 27 anos de idade que acompanhava Geng Biao, na altura vice-primeiro-ministro e líder militar da China. Geng foi meu anfitrião em Janeiro desse ano, quando fui o primeiro secretário da Defesa dos EUA a visitar a China, agindo como interlocutor para a administração do presidente Jimmy Carter.

Nessa altura, os norte-americanos tinham poucas razões para prestarem atenção em Xi, mas os seus superiores viram claramente o seu potencial. Nos 32 anos que se seguiram, a importância de Xi aumentou, juntamente com a força económica e militar da China. A ascensão da sua coorte ao topo do poder marca a reforma da última geração de líderes designada por Deng Xiaoping (embora se mantenham influentes).

Apesar do grande peso que a China tem no mundo dos negócios, Xi enfrenta tensões internas que tornam a China mais frágil do que geralmente é interpretada. O modelo de crescimento económico da China induzido pelas exportações atingiu os seus limites e a transição para o crescimento impulsionado por factores internos está a intensificar os atritos nacionais. Gerir conflitos através da repressão é mais difícil do que no passado, visto que a rápida urbanização, a reforma económica e a mudança social incomodam um país com 1,3 mil milhões de pessoas. Os conflitos étnicos nas regiões periféricas também irão testar o controlo político de Xi.

To continue reading, please log in or enter your email address.

Registration is quick and easy and requires only your email address. If you already have an account with us, please log in. Or subscribe now for unlimited access.

required

Log in

http://prosyn.org/l9Gra3b/pt;