Liberdade, Blasfémia, e Violência

PARIS - Os ataques violentos a postos diplomáticos dos Estados Unidos em todo o norte de África e no Médio Oriente levantaram uma vez mais a questão de como reagir quando os americanos e outros ocidentais se envolvem expressões provocatórias que outros consideram uma blasfémia. Embora o ataque à missão diplomática dos EUA em Benghazi, durante o qual o Embaixador J. Christopher Stevens e três membros da sua equipa foram assassinados, possa muito bem ter sido planeado, como asseverou o Departamento de Estado, os assassinos aproveitaram claramente a oportunidade criada pela indignação em relação a um filme antimuçulmano produzido nos EUA.

Nos últimos anos, houve várias situações em que o facto de se classificar algo como blasfémia originou ameaças de violência ou assassinatos reais, começando com a publicação de Os Versículos Satânicos de Salman Rushdie, há mais de duas décadas, e passando pelas caricaturas do profeta Maomé publicadas no jornal dinamarquês Jyllands -Posten. Na Holanda, Theo Van Gogh foi assassinado num passeio em Amsterdão, como represália pelo seu filme Submissão que criticava a forma como as mulheres eram tratadas no Islão.

Mesmo aqueles que defendiam a liberdade de expressão naqueles casos podem já não estar dispostos a fazê-lo agora. Desta vez, o filme que provocou motins no Cairo, Benghazi, Sana e em outros lugares é tão rude e provocatório que parecer ter havido uma clara intenção de desencadear a indignação que suscitou.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To continue reading, please log in or register now. After entering your email, you'll have access to two free articles every month. For unlimited access to Project Syndicate, subscribe now.

required

By proceeding, you are agreeing to our Terms and Conditions.

Log in

http://prosyn.org/GYVquon/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.