Margaret Scott

As máscaras do comércio livre

CAMBRIDGE - Fui convidado, recentemente, por dois colegas de Harvard a participar no seu curso sobre a globalização. “Tenho que te dizer”, avisou-me um deles de antemão, “este grupo é muito pró-globalização”. No primeiro encontro, quando ele perguntou aos alunos quantos deles preferiam o comércio livre às restrições à importação, a resposta foi mais de 90%. E isso foi antes de os estudantes terem sido instruídos sobre as maravilhas da vantagem comparativa!

Sabemos que quando a mesma pergunta é feita em pesquisas reais com amostras representativas - não apenas com estudantes de Harvard -, o resultado é bem diferente. Nos Estados Unidos, as respostas a favor das restrições ao comércio têm uma margem de dois-para-um. Mas a resposta dos estudantes de Harvard não foi totalmente surpreendente. As pessoas altamente qualificadas e com níveis de educação mais elevados tendem a ser consideravelmente mais a favor do comércio livre do que os operários. Talvez os estudantes de Harvard estivessem simplesmente a votar com o pensamento nas próprias (futuras) carteiras.

Ou talvez eles não entendam como funciona realmente o comércio. Afinal de contas, quando me encontrei com eles, coloquei a mesma pergunta, sob forma diferente, enfatizando os prováveis efeitos distributivos do comércio. Desta vez, o consenso do comércio livre evaporou - mais depressa do que eu esperava.

To continue reading, please log in or enter your email address.

Registration is quick and easy and requires only your email address. If you already have an account with us, please log in. Or subscribe now for unlimited access.

required

Log in

http://prosyn.org/frekTde/pt;