Colheita Boa, Colheita Má

NAIROBI – A proibição de importação de colheitas geneticamente modificadas (GM) pelo Quénia é reflexo de uma tendência perturbadora, num país visto tradicionalmente como um inovador agrícola. A manobra também representa um enorme retrocesso para um continente que frequentemente batalha para garantir a sua própria segurança alimentar. A abordagem racional e científica deve triunfar sobre o preconceito, o medo, e a especulação. E o Quénia pode indicar o caminho.

As colheitas GM (também chamadas colheitas geneticamente manipuladas ou colheitas biotecnológicas) já provaram repetidamente ser seguras, e são usadas com sucesso, em todo o mundo, para estimular a produtividade agrícola. Mas a burocracia, a propaganda, e a desinformação estão a impedir que milhões de agricultores Africanos, incluindo no Quénia, acedam a uma tecnologia que pode melhorar as condições de subsistência e ajudar a resolver a escassez de alimentos.

Mais de um milhão de Quenianos depende actualmente de ajuda alimentar, como resultado da escassez de cereais que se faz sentir no país. A Rede de Sistemas de Avisos Prévios de Fome nota que os preços já elevados do milho continuarão a subir até ao fim do ano, colocando ainda mais pressão sobre a segurança alimentar e o desempenho económico. À medida que o Quénia luta por alimentar o seu povo e estabilizar a sua economia, a tecnologia GM deveria ser um instrumento bem-vindo para aumentar as produtividades e os rendimentos, beneficiando agricultores, consumidores, e o ambiente.

To continue reading, please log in or enter your email address.

Registration is quick and easy and requires only your email address. If you already have an account with us, please log in. Or subscribe now for unlimited access.

required

Log in

http://prosyn.org/GNGfMEG/pt;