O regresso resistível de Nicolas Sarkozy

PARIS – O antigo primeiro-ministro britânico, Harold Wilson, disse uma vez que uma semana é muito tempo na política. Se isso for verdade, as eleições presidenciais de 2017 de França ainda estão a anos-luz e qualquer especulação neste momento é prematura, até mesmo imprudente. No entanto, alguns desenvolvimentos interessantes preliminares merecem consideração – especificamente os que dizem respeito às perspectivas do Presidente François Hollande e do seu antecessor, Nicolas Sarkozy, sendo que nenhum dos dois iria provavelmente ganhar hoje umas eleições.

A reprovação do eleitorado francês está entre as únicas coisas que Hollande e Sarkozy – dois homens com personalidades e abordagens muito diferentes – têm em comum. Na verdade, Hollande foi eleito em 2012, precisamente porque se apresentou como o “anti-Sarkozy”.

Hoje, uma maioria significativa dos eleitores franceses não suporta a ideia de ver qualquer um dos líderes nos seus ecrãs de televisão por mais cinco anos (a duração de um mandato presidencial francês). Tanto Hollande como Sarkozy foram relegados para a categoria de “actual indesejado”.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To read this article from our archive, please log in or register now. After entering your email, you'll have access to two free articles from our archive every month. For unlimited access to Project Syndicate, subscribe now.

required

By proceeding, you agree to our Terms of Service and Privacy Policy, which describes the personal data we collect and how we use it.

Log in

http://prosyn.org/Z4aat8G/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.